Lugar ao Cinema

Data: 2 dezembro 2019

Local: Casa Museu José Régio

Durante toda a sua vida, José Régio foi devoto cinéfilo: através da expressão crítica em jornais e revistas (exemplo de presença), analisou o cinema mudo ( que, equiparado ao teatro ou à poesia, como sublime forma de arte, julgava incapaz de desaparecer com o sonoro…), focando grandes realizadores/atores e mesmo o panorama nacional que vivia a sua época de ouro, com Leitão de Barros, Chianca de Garcia, entre outros.

 

Amigo pessoal de Manoel de Oliveira, colaborou com ele em registos como Ato de Primavera– chegou a confessar que ele próprio gostaria de realizar um filme, partilhando tais desejos com outos da sua geração, como Branquinho da Fonseca e Ernesto de Oliveira.

 

Mas para haver cinema é necessário criar público. Para tal defendia a divulgação e projeção, em pequenas cidades, através de cineclubes – como o fez em Portalegre e Estremoz.

 

Para a mesa redonda de 2 de Dezembro, 17.h30 na Casa Museu José Régio, foram convidadas personalidades que conviveram e partilharam estes projetos (Florindo Madeira , José Bizarro), suas vicissitudes e glórias, a par de cinéfilos da atualidade (Raul Ladeira, Francisco Pacheco e Gaspar Garção, que será o moderador).

 

E viva a 7ª Arte !

Comments are closed.

Lugar ao Cinema | José Régio | Evocação dos 50 anos da sua morte | 2 dez 2019